Tablets invadem a sala de aula

Aparelhos começam a dividir a atenção dos alunos com apostilas impressas. Nova tecnologia deve ser introduzida com cautela

Professor do Colégio Positivo seleciona simuladores de Física no seu tablet: novas possibilidades de ensino com o uso da tecnologia em sala de aula

Professor do Colégio Positivo seleciona simuladores de Física no seu tablet: novas possibilidades de ensino com o uso da tecnologia em sala de aula

Eles invadiram as casas, os escritórios e agora também as salas de aula. Os tablets, computadores portáteis em formato de prancheta sensíveis ao toque, cheios de recursos audiovisuais e com acesso à internet, já estão sendo utilizados por Escolas para aprimorar o ensino tradicional e ganhar a atenção dos alunos – cada vez mais conectados e fascinados com o mundo virtual.

A aposta nos aparelhos é tão grande que alguns colégios de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília já começam a exigi-los na lista de material Escolar, inclusive com a abolição das apostilas. Em Curitiba, colégios particulares como Positivo e Dom Bosco não chegaram a tanto, mas já se valem do aparelho em grande parte de suas atividades do ensino médio. Depoimentos

Veja como os alunos avaliam a ferramenta:

“Antes eu precisava chegar em casa para iniciar uma tarefa ou fazer uma pesquisa. Com o tablet, ganhei tempo. Ele auxilia em praticamente todas as matérias, em especial em Física e Português. Mas, quando se trata de Literatura, ainda prefiro os livros.”

Giovanna Cantelli, 16 anos.

“A aula ficou mais divertida. Os alunos receberam bem a novidade. É útil, por exemplo, numa aula de Biologia, com vídeos para entender melhor o funcionamento das células, ou em Física, com simuladores de velocidade. Acho que o tablet pode conviver bem com a leitura e a escrita, basta que os professores consigam incentivar os alunos.”

Alexandre Slaviero, 16 anos.

“O tablet ajuda muito por rodar vídeos em 3D e isso facilita a resolução de exercícios. Também dá para pesquisar informações extras e mandar tudo por e-mail ao professor, com uma economia de papel. Acho que o tablet tem mais a ver com a nossa realidade, mas não acho que vá substituir os livros, pelo menos, não agora.”
Erich Santos, 16 anos.

Veja orientações de como usar a tecnologia a favor do aprendizado:

ESCLARECIMENTO

– Antes de introduzir o tablet nas Escolas, a direção e a coordenação pedagógica devem se assegurar de que os professores sabem lidar com a tecnologia. A Escola também deve estar aberta a eventuais dúvidas e questionamentos dos pais, já que muitos também desconhecem o uso do aparelho. Por fim, é preciso garantir a manutenção constante do tablet, caso contrário, haverá perda de dinheiro e, principalmente, de oportunidades.

PLANEJAMENTO

– O professor, o aluno e os pais devem ter conhecimento prévio de como o aparelho será usado em sala de aula. Isso envolve planejamento. Em quais disciplinas ele será utilizado? Em quais atividades? Por quanto tempo? De que forma ele ajudará a aprimorar o aprendizado?

Os pais devem ser chamados a expressar suas opiniões e a novidade ser introduzida aos poucos para não causar rejeição.

MIGRAÇÃO X APRIMORAMENTO

– Não se deve usar o tablet apenas com o intuito de economizar papel ou diminuir o peso do material Escolar na mochila dos alunos. O foco deve ser o aprimoramento. Se houver apenas a migração de um meio para o outro, sem o aperfeiçoamento do método pedagógico, os alunos não perceberão o potencial dessa tecnologia e podem ver o processo apenas como entretenimento.

ACOMPANHAMENTO

– O uso do equipamento permite que os alunos consultem informações a toda hora na internet. Essa prática deve ser acompanhada de perto pelos professores, que devem informar quais sites e páginas são seguros e como usar corretamente a informação. Os educadores devem estar sempre presentes durante quaisquer atividades, para explorar a tecnologia junto aos alunos e responder a eventuais questionamentos.

DISPERSÃO

– Ao usar uma plataforma com tantos recursos audiovisuais, o aluno pode se dispersar e perder o foco nas atividades Escolares.

O ideal é que professores e alunos tracem objetivos claros a respeito do que deve ser feito e, com a tarefa cumprida, é até possível que haja um espaço para o acesso a sites diversos – sempre supervisionado pelos professores e com a anuência dos pais.

No Colégio Dom Bosco foram distribuídos 637 tablets pelo projeto Dom Digital, iniciado em 2010 com a entrega de notebooks a alunos do ensino médio. Em 2011 foram adotados os tablets, mais funcionais e fáceis de manusear e carregar. Na opinião do diretor-geral do grupo, Durval Antunes Filho, o recurso veio para ficar. “Ou você se moderniza, ou está fadado ao insucesso. Hoje o aluno quer informação rápida, e você precisa dotar o professor de recursos para que ele acompanhe essa nova era.” Os alunos levam o equipamento para casa.

No Colégio Positivo, os tablets são distribuídos aos alunos do 1.º e do 2.° ano do ensino médio. Na Sede Ângelo Sampaio, 220 alunos que cursam o ensino integral utilizam o equipamento durante as atividades pedagógicas. “As aulas ficam mais divertidas. Acho que o tablet vai estar cada vez maispresente em sala de aula”, diz o estudante do 2.º ano do colégio Alexandre Slaviero. O tablet é utilizado principalmente em aulas de Física e Matemática, que exigem muitos conceitos abstratos e cálculos. Ao final das aulas, os alunos devolvem os aparelhos.

DESAFIOS

Antes de introduzir o tablet em sala de aula, a professora da Universidade Federal do Paraná Gláucia da Silva Brito, especialista no uso de tecnologias no ensino, lembra que a Escola precisa se planejar para não desperdiçar oportunidades. A familiaridade dos alunos com os recursos disponíveis pode ser tanto uma forma de prender a atenção para um conteúdo mais interessante quanto um motivo de dispersão e consequente perda de controle por parte dos professores.

Nos dois colégios, os professores monitoram constantemente o conteúdo acessado e a visita a redes sociais e sites alheios à aula é bloqueada. Especialistas, no entanto, afirmam que o processo exige menos repressão e mais planejamento, pois até as redes sociais como Facebook e microblogs como Twitter podem ser úteis no processo de aprendizado.

“É preciso se perguntar: como eu posso utilizar essa ferramenta para dar uma aula de Português, de Matemática ou de Física? Em quais atividades? Por quanto tempo? Antes de tudo, é preciso dominar o conteúdo e saber dar aula. É o conteúdo que vai fazer a diferença”, diz Gláucia, que defende o uso de tecnologia em sala de aula. “Os professores têm de ser professores de seu tempo.”

PROFESSOR PRECISA ESTAR CAPACITADO

Como a tecnologia dos tablets ainda é nova – os primeiros modelos surgiram em 2010 –, ainda há dúvidas por parte dos professores a respeito do potencial do equipamento em sala de aula. Para a coordenadora do curso de pós-graduação em Educomunicação da FAE Business School, Regina Luque, o principal obstáculo é a capacitação de professores, que muitas vezes não têm familiaridade com as tecnologias da informação e Educação como um todo.

Sem a formação, diz a professora, desperdiça-se a oportunidade de aproximar o aluno do conteúdo através de uma ferramenta que ele domina e aprecia. “É algo semelhante ao que houve com a introdução do vídeo em sala de aula. O professor passa um filme, mas não sabe como utilizá-lo para ensinar a matéria. O equipamento vira apenas uma fonte de entretenimento e não de conhecimento.”

Com o papel do professor subestimado, corre-se o risco de que o processo seja uma mera migração do papel para a tela. “Não adianta somente substituir. É necessário ter um diferencial”, diz o diretor do Colégio Positivo Ângelo Sampaio, Celso Hartmann. “O professor tem de ser crítico, ter um papel ativo e ser constantemente treinado.”

Ao matricularem os filhos num colégio com essa proposta, os pais devem analisar sempre se o professor está capacitado – se consegue tirar dúvidas e possui um planejamento disponível – e se a Escola lhe dá apoio para se aperfeiçoar. “O professor deve dominar tanto a parte técnica quanto a pedagógica. Deve saber usar o equipamento como usuário e também como professor”, diz Regina Luque.

APRENDIZADO PASSA POR MUDANÇAS

Familiarizados com a tecnologia, os estudantes têm aprovado o uso dos tablets em sala de aula, embora ainda prefiram ler e escrever no modo tradicional. Nos colégios Positivo e Dom Bosco, que distribuem o aparelho para os alunos do ensino médio, a tecnologia é utilizada principalmente para a resolução de exercícios e nas aulas que exigem pesquisas de textos, como História e Língua Portuguesa.

Disciplinas consideradas “áridas”, como Física, ficaram mais interessantes e menos abstratas com a adoção de simuladores e vídeos.

Numa aula sobre velocidade, por exemplo, é possível inserir dados e observar um carro realizar diferentes movimentos em tempo real. “O aluno não apenas imagina, ele também projeta e interage com os conceitos”, diz o professor de Física do Positivo Jackson Milani.

É comum que o professor primeiro use os simuladores para depois explicar a matéria, o que faz com que os alunos observem o fenômeno antes de conhecer sua definição, muitas vezes abstrata quando explicada sem exemplos concretos. “A prática vem antes da teoria. Eles ficam fascinados”, diz Milani.

Um diferencial em relação ao computador é poder levar o equipamento para aulas ao ar livre, o que auxilia em lições sobre botânica, por exemplo. Também é possível pesquisar dados e responder a exercícios sem a necessidade de ir ao laboratório de informática ou esperar a aula acabar para iniciar as tarefas de casa.

“Com essa mudança, acredito que o modo de aprender vai passar por uma grande transformação. Aliás, essa transformação já está ocorrendo. Notamos que a participação e o interesse estão maiores”, diz o professor de Física e coordenador do Projeto Dom Digital, Raphael Corrêa.

Fonte: Gazeta do Povo (PR), 11/03/2012.
http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=1232256

4 Responses to “Tablets invadem a sala de aula”


  1. 1 jorgelina 13/03/2012 às 10:00 am

    Isso me da um pouco medo…pois, muitas mudanças precisam ser feitas. E um avanzo muito bom, mas antes precisam ser feitas muitassss coisas! Vamos ver.

    (últimamente ando negativa!!)
    bj

  2. 2 Gonzalo Abio 13/03/2012 às 10:11 am

    Jorgelina,
    Entendo perfeitamente teu comentário.
    Eu achei interessante esta notícia porque, independentemente do perfil jornalístico, traz duas coisas que julgo importantes:
    1- As orientações para os professores são muito boas.
    2- As opiniões de alunos (adoro ver opiniões de usuários)
    Por isso acho que devemos ver com carinho esta matéria.
    Abraços,
    Gonzalo

  3. 3 jflavio 04/07/2012 às 9:02 am

    Espero que essa brilante iniciativa seja largamente copiada. Chega de giz e quadro negro, lapis de madeira, caderno de papel. Vamos viver a atualidade. Abaixo a retrocesso.

  4. 4 Gonzalo Abio 10/03/2013 às 5:40 am

    Os tablets servem melhor para quê? Para consumo de conteúdos e não para criação de conteúdos e por isso não deveriam ser muito utilizados na educação.
    Vejam mais razões neste texto (em inglês): Too cool for school: 7 reasons why tablets should NOT be used in education
    http://donaldclarkplanb.blogspot.ca/2013/02/too-cool-for-school-7-reasons-why.html


Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Escreva seu e-mail para assinar este blog e saber sobre o envio de novos comentários neste blog.

Junte-se a 88 outros seguidores

Arquivos do blog


%d blogueiros gostam disto: